Faixa publicitária
Missa de Natal - Homilia PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homílias 2009

PARA VIVER E OFERECER A VERDADE DO NATAL

Amados irmãos e irmãs, iluminados todos pela glória do Presépio

 

“E o Verbo fez-se carne e habitou entre nós. Nós vimos a sua glória, que lhe vem do Pai como Filho Unigénito, cheio de graça e de verdade”. Este curto passo do Evangelho escutado dá-nos o essencial do que celebramos no Natal de 2009, tão distante e afinal tão próximo do que aconteceu em Belém de Judá. Assim acontece com as coisas essenciais: são poucas mas nunca acabam, coincidindo com a nossa humanidade comum, tal como foi criada e depois assumida pelo próprio Deus.


Uma mulher que dá à luz um filho, um homem que os guarda e admira. Juntaram-se pastores e depois uns magos do Oriente. E milhões e milhões, como nós agora, nesta catedral transformada em presépio. – Para ver o quê? Precisamente o mesmo que o Evangelista de há pouco: “Nós vimos a sua glória, que lhe vem do Pai como Filho Unigénito…”.

É uma criança a nascer e o próprio Deus a dizer-se dessa maneira. Trinta anos depois será um homem a morrer e Deus também se dirá assim. Como entretanto se disse emigrado no Egipto, a crescer e a trabalhar em Nazaré e a anunciar um Reino que se abria no mundo para nos realizar em Deus. – Que bem o referiu Santo Ireneu no século II: “Há um só Deus que, pelo seu Verbo e Sabedoria, criou e ordenou todas as coisas. O seu Verbo é Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos últimos tempos se fez homem entre os homens, para reunir o fim com o princípio, isto é, o homem com Deus!” (Ofício de Leitura, 4ª feira da 3ª semana do Advento).

Interessantíssima a todos os títulos é esta conclusão cristã das coisas. Porque de perguntas, perguntas essenciais, se fez a história humana. Quando nos interrogamos sobre a própria humanidade nos seus começos, onde a podemos encontrar senão nessas perguntas em que a liberdade se começou a manifestar, para além da necessidade pura e simples. Como ainda na infância de cada um, também aconteceu na da humanidade inteira, com os primeiros e insistentes “porquês?”. – Porque há de ser assim e não doutra maneira? – Porque desaparecem pessoas que conhecemos e para onde vão? – Porque se sucedem os dias e não retornam mais? - Porque desejamos tanto e conseguimos tão pouco? - Porque é tão contrário a si mesmo o nosso próprio coração, que tantas vezes não faz o que quer, mas o que não quer nem deve?

Destes e doutros porquês se fez a história humana. E mal seria se desistíssemos de os enunciar e aprofundar, resolvendo mal e depressa as questões fundamentais, da vida à família, da sociedade à cultura. Sobre simples desejos, dispersos afectos e disposições de momento não progrediremos como humanidade consciente e responsável, nem como liberdade consistente e racionalidade segura. Perguntas de sempre e respostas apuradas pelo devir humano e social, essas sim, são base sólida para continuarmos idênticos e em identidade progressiva.

Mas há que sondar ainda mais estas perguntas e o seu porquê, ou o porquê dos porquês, se assim quisermos. Se nos unem como seres humanos tanto as perguntas como as respostas fundamentadas, então de pergunta e resposta se constrói a história humana, para ser verdadeiramente tal, quer dizer, consciente, livre e responsável.

Com isto coincide a notável descoberta da vida como pergunta operativa e disposição para progredir na resolução de si mesmo e do mundo inteiro, através duma humanidade que dele verdadeiramente cuide, fruindo sem destruir e desenvolvendo sem desgastar. E se dermos mais um passo, sondando o porquê dos nossos porquês, então poderemos chegar, com toda a tradição bíblica, à consideração da vida como vocação.

As nossas perguntas são afinal suscitadas por Aquele que nos faz assim e deste modo nos educa. As nossas questões são basicamente religiosas porque nos “religam” ao Absoluto que nos criou e agora nos chama. E, absoluto sendo, não nos quer deixar a meio caminho, distraídos nas margens e muito menos inconscientes, regredindo para uma pseudo-liberdade, que ficaria escrava de impulsos desintegrados.

Assim mesmo o entendeu o Papa Bento XVI na sua última encíclica, quando retomou de Paulo VI a ideia de “vocação” como chave e “porquê” do desenvolvimento autêntico: “Na Populorum Progressio, Paulo VI quis dizer-nos, antes de mais nada, que o progresso é, na sua origem e na sua essência, uma vocação: ‘Nos desígnios de Deus, cada homem é chamado a desenvolver-se, porque toda a vida é vocação’ (PP, 15). […] Dizer que o desenvolvimento é vocação equivale a reconhecer, por um lado, que o mesmo nasce de um apelo transcendente e, por outro, que é incapaz por si mesmo de atribuir-se o próprio significado último” (Caritas in Veritate, 16).

 

E aqui voltamos ao Presépio, donde aliás nunca saímos. É que sendo a vocação suscitada por um desejo de que não somos a fonte e por uma pergunta de que não dominamos a resposta, nós estamos aqui – neste Natal de 2009 – porque acolhemos a elucidação que o próprio Deus nos dá sobre si e sobre nós, quando na nossa própria humanidade se traduz, comunicação divina em realidades humanas, do nascer ao morrer e ao ressuscitar por fim: por finalidade sua, nossa e do mundo.

Verdadeiramente, o Natal não foi apenas há 2009 anos, como se o enclausurássemos num momento histórico, que aliás também foi. Melhor diremos que há 2009 anos, assim convencionados, ultrapassando expectativas de ontem, hoje e amanhã, Deus ofereceu-nos a última resposta sobre si, sobre a humanidade e sobre o mundo. Tão última que ainda hoje a interpretamos e aprofundamos, no sulco certo e seguro da sua interpretação evangélica, parecendo-nos sempre nova e novíssima, surpreendentemente capaz de incluir e alargar as mais recentes descobertas da ciência, como as mais penetrantes intuições da poesia e das artes.

Nunca é de mais repetir que esta convicção de que temos no Verbo incarnado a resposta plena de Deus é atestada pelas primeiras gerações cristãs, que conseguiram resumir em pouquíssimos versículos a mais definitiva das realidades. Como a abrir a carta aos Hebreus: “Muitas vezes e de muitos modos, falou Deus aos nossos pais, por meio dos profetas. Nestes dias, que são os últimos, Deus falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, e por meio de quem fez o mundo” (Hb 1, 1-2).

Aludindo directamente a este passo – e já íamos no século XVI -, São João da Cruz comentava com as suas habituais palavras de oiro: “O que antigamente Deus disse pelos Profetas a nossos pais de muitos modos e de muitas maneiras, agora, por último, nestes dias, nos falou pelo Filho tudo de uma só vez. Com isso o Apóstolo nos dá a entender que Deus ficou como mudo e não tem mais que falar, porque o que antes disse parcialmente pelos Profetas, revelou-o totalmente, dando-nos o Todo que é o seu Filho. E por isso, quem agora quisesse consultar a Deus ou pedir-Lhe alguma visão ou revelação, não só cometeria um disparate, mas faria agravo a Deus, por não pôr os olhos totalmente em Cristo e buscar fora d’Ele outra realidade ou novidade” (Ofício de Leitura, 2ª feira da 2ª semana do Advento).

Em Jesus, o Verbo inicial com que Deus nos disse e fez, temos agora o Verbo último em que Deus nos refaz e conclui, ou vai concluindo por acção do Espírito. Espírito que em nós e por nós alarga ao universo o que sucedeu da Anunciação ao Natal e do Natal à Páscoa. Sendo nós criaturas históricas e situadas, só histórica e situadamente poderíamos ouvir e assimilar uma Palavra que finalmente nos respondesse. Palavra que sendo o próprio Deus-Palavra, nos comunica Deus e nos diviniza também. Ouvimo-lo no Evangelho: “àqueles que O receberam e acreditaram no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus”.

- Reparamos, irmãos e irmãs, reparamos verdadeiramente no que sucede a quem acolhe o Verbo de Deus, num presépio dito e deitado em palhinhas, como hoje o contemplamos, mas sobretudo o guardamos no coração, como Maria?! Rebrilha Ela agora, na gloriosa assunção em que participa da ressurreição de Cristo, depois de o ter concebido e acompanhado nas vicissitudes da mútua existência humana. Isto mesmo pode e deve acontecer connosco, irradiando em fé, esperança e caridade, que transformem realmente as diversas situações da vida de cada um, da família à escola, da escola à empresa, da saúde à doença e da vida à morte, que seja ainda vida.

 

Da parte de Deus tudo está dito, porque a si mesmo se disse, impulsionando-nos agora pelo Espírito a ecoar no mundo a Palavra definitiva. Da nossa parte resta o acolhimento, a conversão e o testemunho. Tão perto já da Missão 2010, decidamo-nos ainda mais nesse sentido. Mês após mês, é sempre da incarnação do Verbo que falaremos, dele nos abeirando e a outros connosco.

Ainda na presente situação, queremos participar solidária e activamente das dificuldades e das esperanças dos nossos concidadãos. Além e bem dentro dos compromissos diários da vida familiar e eclesial, escolar ou profissional, saudável ou tocada pela doença, prevista ou imprevista, avivaremos na sucessão dos dias a presença recriadora do Senhor do tempo.

Em Janeiro cantaremos janeiras, anunciando em espaços públicos o Natal de Cristo para a vida do mundo; em Fevereiro, com muitos jovens de várias proveniências, havemos de adorá-Lo na sua Cruz, plena de vida; entre Março e Abril, celebraremos a Paixão de Cristo, valorizando as nossas tradicionais devoções quaresmais, em profunda comunhão de caridade e dádiva; em Abril, mil compassos pascais levarão a sítios próximos e além deles o jubiloso anúncio da Ressurreição…

E assim continuará a Missão, assim continuaremos nós através dela, a viver e a oferecer a todos a verdade do Natal. Para que se realize em nós e no mundo o que pedimos na oração. “Senhor nosso Deus, […] fazei que possamos participar na vida divina do Vosso Filho, que se dignou assumir a nossa natureza humana”.

- Tão simples afinal, se tivermos o coração convertido à simplicidade de Deus!

 

 

+ Manuel Clemente

Sé do Porto, 25 de Dezembro de 2009

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

D. António Maria Bessa Taipa em entrevista à Voz Portucalense
2017-10-11 16:12:03
Powerpoint + PDF
2017-10-09 11:26:12
Recursos gráficos
2017-09-19 13:45:08
Formato ICS (Google, Outlook, iCal, ...)
2017-08-21 15:07:09
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.