Faixa publicitária
100 anos em festa... São João do Porto PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

 


Quadras de São João - Festas Populares

A Diocese do Porto não quis deixar de festejar o São João. Para tal, foi desenvolvida uma nova função interactiva no site, que estará em activa durante o período das festas populares.

Visite o nosso site - www.diocese-porto.pt - crie quadras dedicadas a São João e partilhe-as com os seus amigos.


História de um Feriado

Os festejos de S. João na cidade do Porto são já seculares e a origem desta tradição cristã remonta mesmo a tempos milenares. Mas foi só no século XX que o 24 de Junho passou a ser feriado municipal na Invicta, proporcionando um merecido dia de folia a milhares de tripeiros. E tudo graças a um decreto republicano e a um referendo aos portuenses, promovido pelo Jornal de Notícias. A história é curiosa e mostra o protagonismo que, já na altura, a Comunicação Social tinha no modus vivendi urbano. Estávamos em Janeiro de 1911 e a República Portuguesa dava os primeiros passos. A monarquia tinha sido destronada apenas três meses antes, com a revolução de 5 de Outubro de 1910.

O Governo Provisório da República assumia a governação do país e, desde logo, começava a introduzir mudanças na sociedade portuguesa que espelhavam, muito naturalmente, os ideais da nova ordem republicana. Numa tentativa de implementar a nova ordem junto da população, o Governo Provisório redefiniu os dias feriados em Portugal. Por decreto, a República instituiu como feriados nacionais o 31 de Janeiro (primeira tentativa ?falhada ¬de revolução republicana, em 1891, no Porto), o 5 de Outubro (instauração da República) e o 1º de Dezembro (restauração da independência em 1640), para além do Natal e do Ano Novo. Mas o mesmo decreto impunha, a cada município do país, a escolha de um dia feriado próprio: "As câmaras ou commissões municipaes e entidades que exercem commissões de administração municipal, proporão um dia em cada anno para ser considerado feriado, dentro da area dos respectivos concelhos ou circumscripções, escolhendo?os d'entre os que representem factos tradicionaes e característicos do município ou circumscripção". E foi com este propósito que a Comissão Administrativa do Município do Porto reuniu a 19 de Janeiro de 1911. Segundo o relato do Jornal de Notícias, o "velho e conceituado republicano, sr. Henrique Pereira d'Oliveira" logo sugeriu a data de 24 de Junho para feriado municipal. O facto não causa espanto. Afinal de contas, o S. João era, já na altura, uma festa com longa tradição na cidade do Porto. A primeira alusão aos festejos populares data já do século XIV, pela mão do famoso cronista do reino, Fernão Lopes. Em 1851, os jornais relatavam a presença de cerca de 25 mil pessoas nos festejos sanjoaninos entre os Clérigos e a Rua de Santo António e, em 1910, um concurso hípico integrado nos festejos motivou a presença do infante D. Afonso, tio do rei (a revolução republicana apenas se daria em Outubro).

 

Referendo popular

Contudo, a sugestão de Henrique d'Oliveira de eleger o S. João como feriado municipal da Invicta foi contestada por outros membros da Comissão Administrativa do Município do Porto, que mostraram opiniões diversas. Foi então que "o sr. dr. Souza Junior lembrou, inspirado n'um alto princípio democrático, que não devia a Commissão deliberar nada sem que o povo do Porto, por qualquer forma, se pronunciasse em tal assumpto". Para solucionar o imbróglio, o Jornal de Notícias dispôs?se a organizar um surpreendente referendo popular para escolher o feriado municipal. Logo no dia 21 de Janeiro, somente dois dias após a reunião da Comissão Administrativa, foi colocado na primeira página do jornal o anúncio da "Consulta ao Povo do Porto", explicando toda a situação e a forma de participação. As pessoas teriam que enviar, até ao dia 2 de Fevereiro, "um bilhete postal ou meia folha de papel dentro de enveloppe" para a redacção do jornal, com a indicação do dia de sua preferência. E, para recompensar o trabalho dos leitores, o Jornal de Notícias oferecia "dez valiosos premios" ?o mais valioso era de 10 mil réis, cerca de cem escudos a serem sorteados de entre todos aqueles que votassem no dia eleito. Nos dias seguintes, o Jornal de Notícias fez o relato diário da emocionante votação. A vitória foi quase só discutida entre o dia de S. João, já com larga tradição na cidade, e o 1º de Maio, Dia do Trabalhador, a que não será alheio o facto de a cidade do Porto ser considerada "a capital do trabalho". No dia 22 de Janeiro já se davam conta dos primeiros resultados: "a votação de hontem, que foi grande, dá maioria ao 1 de Maio, seguido pelo 24 de Junho (S. João) e S. Conceição [8 de Dezembro]". No dia 24 ?o Jornal de Notícias não foi publicado no dia 23, segunda?feira, porque o matutino encerrava ao domingo! ?, deu?se uma reviravolta nos resultados: o 24 de Junho trocava de lugar com o 1º de Maio, ficando na posição de mais votado. Porém, a 25, num dia em que "a votação cresceu imenso", o 1º de Maio quase passava novamente para a liderança da votação. Mas foi no dia 26 de Janeiro que o resultado da votação começou a ficar definido, ao que muito se deve a forte participação popular do dia anterior, como relata o Jornal de Notícias desse dia: "Só hontem vieram tantos votos como em todos os dias anteriores. O dia de S. João tem enorme maioria. O dia 1 de Maio já está muito em baixo". E, a 27, o próprio jornal já dava como certo o vencedor: "Positivamente o dia mais votado é o de S. João. O dia 1 de Maio fica muito para trás. Augmenta bastante o de N. S. Conceição".

Durante os dias seguintes foram publicados os resultados provisórios diários, sem que tivesse havido alterações de maior no sentido de voto dos portuenses. Até que, a 4 de Fevereiro de 1911, foram publicados os totais finais da consulta popular: o dia 24 de Junho foi o mais votado, com 6565 votos, seguido pelo 1º de Maio, com 3075 votos, o dia de Nossa Senhora da Conceição, com 1975 votos, e o dia 9 de Julho, com oito. "Ficou, pois, vencedor o dia de S. João que é aquele que o povo do Porto escolhe para ser o de feriado municipal". Só não se sabe se o vencedor do sorteio chegou a receber os seus 100 escudos, pois registada só ficou a promessa de que "o sorteio dos 10 prémios a que esta consulta dá lugar far?se?á em um dos próximos dias"...

 

Texto originalmente publicado na revista "Porto de Encontro", Julho de 2001.

A História de um Feriado
( Texto original, publicado na Revista Ponto de Encontro de Julho de 2001 )
Os festejos de S. João na cidade do Porto são já seculares e a origem desta tradição cristã
remonta mesmo a tempos milenares. Mas foi só no século XX que o 24 de Junho passou a ser
feriado municipal na Invicta, proporcionando um merecido dia de folia a milhares de
tripeiros. E tudo graças a um decreto republicano e a um referendo aos portuenses,
promovido pelo Jornal de Notícias. A história é curiosa e mostra o protagonismo que, já na
altura, a Comunicação Social tinha no modus vivendi urbano. Estávamos em Janeiro de 1911
e a República Portuguesa dava os primeiros passos. A monarquia tinha sido destronada
apenas três meses antes, com a revolução de 5 de Outubro de 1910. O Governo Provisório
da República assumia a governação do país e, desde logo, começava a introduzir mudanças
na sociedade portuguesa que espelhavam, muito naturalmente, os ideais da nova ordem
republicana. Numa tentativa de implementar a nova ordem junto da população, o Governo
Provisório redefiniu os dias feriados em Portugal. Por decreto, a República instituiu como
feriados nacionais o 31 de Janeiro (primeira tentativa ?falhada ¬de revolução republicana,
em 1891, no Porto), o 5 de Outubro (instauração da República) e o 1º de Dezembro
(restauração da independência em 1640), para além do Natal e do Ano Novo. Mas o mesmo
decreto impunha, a cada município do país, a escolha de um dia feriado próprio: "As câmaras
ou commissões municipaes e entidades que exercem commissões de administração
municipal, proporão um dia em cada anno para ser considerado feriado, dentro da area dos
respectivos concelhos ou circumscripções, escolhendo?os d'entre os que representem factos
tradicionaes e característicos do município ou circumscripção". E foi com este propósito que
a Comissão Administrativa do Município do Porto reuniu a 19 de Janeiro de 1911. Segundo o
relato do Jornal de Notícias, o "velho e conceituado republicano, sr. Henrique Pereira
d'Oliveira" logo sugeriu a data de 24 de Junho para feriado municipal. O facto não causa
espanto. Afinal de contas, o S. João era, já na altura, uma festa com longa tradição na cidade
do Porto. A primeira alusão aos festejos populares data já do século XIV, pela mão do famoso
cronista do reino, Fernão Lopes. Em 1851, os jornais relatavam a presença de cerca de 25 mil
pessoas nos festejos sanjoaninos entre os Clérigos e a Rua de Santo António e, em 1910, um
concurso hípico integrado nos festejos motivou a presença do infante D. Afonso, tio do rei (a
revolução republicana apenas se daria em Outubro).
Referendo popular
Contudo, a sugestão de Henrique d'Oliveira de eleger o S. João como feriado municipal da
Invicta foi contestada por outros membros da Comissão Administrativa do Município do
Porto, que mostraram opiniões diversas. Foi então que "o sr. dr. Souza Junior lembrou,
inspirado n'um alto princípio democrático, que não devia a Commissão deliberar nada sem
que o povo do Porto, por qualquer forma, se pronunciasse em tal assumpto". Para solucionar
o imbróglio, o Jornal de Notícias dispôs?se a organizar um surpreendente referendo popular
para escolher o feriado municipal. Logo no dia 21 de Janeiro, somente dois dias após a
reunião da Comissão Administrativa, foi colocado na primeira página do jornal o anúncio da
"Consulta ao Povo do Porto", explicando toda a situação e a forma de participação. As
pessoas teriam que enviar, até ao dia 2 de Fevereiro, "um bilhete postal ou meia folha de
papel dentro de enveloppe" para a redacção do jornal, com a indicação do dia de sua
preferência. E, para recompensar o trabalho dos leitores, o Jornal de Notícias oferecia "dez
valiosos premios" ?o mais valioso era de 10 mil réis, cerca de cem escudos ¬a serem
sorteados de entre todos aqueles que votassem no dia eleito. Nos dias seguintes, o Jornal de
Notícias fez o relato diário da emocionante votação. A vitória foi quase só discutida entre o
dia de S. João, já com larga tradição na cidade, e o 1º de Maio, Dia do Trabalhador, a que não
será alheio o facto de a cidade do Porto ser considerada "a capital do trabalho". No dia 22 de
Janeiro já se davam conta dos primeiros resultados: "a votação de hontem, que foi grande,
dá maioria ao 1 de Maio, seguido pelo 24 de Junho (S. João) e S. Conceição [8 de
Dezembro]". No dia 24 ?o Jornal de Notícias não foi publicado no dia 23, segunda?feira,
porque o matutino encerrava ao domingo! ?, deu?se uma reviravolta nos resultados: o 24 de
Junho trocava de lugar com o 1º de Maio, ficando na posição de mais votado. Porém, a 25,
num dia em que "a votação cresceu imenso", o 1º de Maio quase passava novamente para a
liderança da votação. Mas foi no dia 26 de Janeiro que o resultado da votação começou a
ficar definido, ao que muito se deve a forte participação popular do dia anterior, como relata
o Jornal de Notícias desse dia: "Só hontem vieram tantos votos como em todos os dias
anteriores. O dia de S. João tem enorme maioria. O dia 1 de Maio já está muito em baixo". E,
a 27, o próprio jornal já dava como certo o vencedor: "Positivamente o dia mais votado é o
de S. João. O dia 1 de Maio fica muito para trás. Augmenta bastante o de N. S. Conceição".
Durante os dias seguintes foram publicados os resultados provisórios diários, sem que
tivesse havido alterações de maior no sentido de voto dos portuenses. Até que, a 4 de
Fevereiro de 1911, foram publicados os totais finais da consulta popular: o dia 24 de Junho
foi o mais votado, com 6565 votos, seguido pelo 1º de Maio, com 3075 votos, o dia de Nossa
Senhora da Conceição, com 1975 votos, e o dia 9 de Julho, com oito. "Ficou, pois, vencedor o
dia de S. João que é aquele que o povo do Porto escolhe para ser o de feriado municipal". Só
não se sabe se o vencedor do sorteio chegou a receber os seus 100 escudos, pois registada
só ficou a promessa de que "o sorteio dos 10 prémios a que esta consulta dá lugar far?se?á
em um dos próximos dias"...

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Guia?o.56.ª.Semana.Orac?a?o.Vocac?o?es Versão reduzida
2019-04-26 12:20:40
Cartaz e banner FB
2019-04-17 14:56:29
Pagela Oração
2019-04-17 14:56:10
Guião
2019-04-17 14:55:11
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.