Faixa publicitária
“Abre a tua porta à alegria do Evangelho” - Caminhada para uma Quaresma com Páscoa PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - “A ALEGRIA DO EVANGELHO É A NOSSA MISSÃO”

 

Mensagem de Abertura

Na mensagem que nos dirige para esta Quaresma, o Papa Francisco apresenta a Quaresma como um tempo favorável de graça e um percurso de formação do coração.

O Papa Francisco sugere, para a formação do coração, os caminhos da oração, da caridade e da conversão, de modo que a oração nos abra à comunhão, e, pela caridade, na Igreja “tudo seja de todos”, até sermos capazes de fazer das paróquias “ilhas de misericórdia no meio do mar da indiferença”.

Importa cultivar um clima de fraternidade e de esperança que transforme e abra o coração humano, tantas vezes indiferente ao mistério de Deus, à presença de Jesus e à ação da Igreja.

 

Estava já preparada esta Caminhada da Quaresma – Páscoa e escolhida a imagem da “porta”, quando, ontem mesmo, recebemos esta belíssima mensagem do Papa Francisco para a Quaresma deste ano. É com muita alegria que vemos como esta imagem da “porta” serve também na mensagem do Papa este desafio para a abertura do nosso coração ao amor de Deus e à missão da Igreja.

É com este mesmo espírito e usando a mesma imagem da portaque apresento à Diocese a Caminhada da Quaresma – Páscoa, inspirada na Exortação apostólica “A alegria do evangelho” e integrada no ritmo da dinâmica pastoral proposta à Diocese ao apresentar, no passado dia 9 de setembro, na celebração de Abertura do Ano pastoral o lema: “A alegria do Evangelho é a nossa missão”.

Quero agradecer e louvar o belo acolhimento oferecido a este lema diocesano, e a quanto ele significa de mobilização pastoral, assim como o grande interesse encontrado em toda a diocese pela Caminhada de Advento – Natal, em que nos propusemos construir: “Uma casa para a alegria do evangelho”.

Urge agora abrirmos nesta “casa construída para a alegria do evangelho”, juntamente com a “porta” do nosso coração as “portas” que nos façam entrar na Igreja e daí partir em missão: “Abre a tua porta à alegria do Evangelho”.

Na linguagem da fé, a “porta” é um dos símbolos com o qual Jesus se identifica. “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, será salvo” (Jo 10, 7 ss).

Na arquitetura das igrejas, a “porta” é o elemento de passagem que projeta para o mistério e envia para a missão.

A Quaresma é um belo e necessário itinerário de sete semanas que nos conduz pelos caminhos da oração, da conversão, do jejum e da partilha fraterna rumo à Páscoa. Depois, a partir da Páscoa, outras sete semanas nos levam, durante o tempo pascal, a irradiar a alegria da ressurreição. Assim, outras tantas portas se abrem pela mão da mesma Igreja, que nos preparou durante o tempo quaresmal para irmos em missão ao encontro do Mundo.

A Quaresma é, assim, para os cristãos, e deve ser através deles para todo o mundo, um convite a abrir a porta do nosso coração à alegria do evangelho.

A Páscoa, por seu lado, vai conduzir-nos à casa das famílias da nossa Diocese, a partir das “portas” da Igreja, abertas no domingo da ressurreição. Levaremos connosco a cruz florida com o belo e feliz anúncio da ressurreição e o convite a vivermos, no espírito da alegria do evangelho, a partilha de bens que queremos recolher na renúncia quaresmal, como dom da generosidade de todos, para repartir por aqueles que deles precisam, sobretudo os mais pobres, sós e esquecidos.

Vivamos todos, desde as crianças da catequese, aos jovens dos grupos paroquiais e das escolas, às famílias, às paróquias, às comunidades religiosas e aos movimentos apostólicos esta proposta de itinerário espiritual e de dinâmica pastoral. Só assim a Igreja será “a mão que abre a porta através da qual Deus entra no mundo e o mundo n’Ele”. Cabe à Igreja, lembra-nos o Papa Francisco, ser “como a mão que mantém aberta esta porta, por meio da proclamação da Palavra, da celebração dos Sacramentos, do testemunho da fé que se torna eficaz pelo amor”. E o Papa adverte que, se a Igreja não for esta mão “não deve jamais surpreender-se, se se vir rejeitada, esmagada e ferida”. Por isso, “cada comunidade cristã é chamada a atravessar o limiar [o limiar desta porta, poderíamos acrescentar] que a põe em relação com a sociedade circundante, com os pobres e com os incrédulos.”

Não deixemos de abrir a “porta” do nosso coração! Só um coração forte, pobre e misericordioso, vigilante e generoso que se abre à oração, à conversão e à reconciliação compreende como é importante viver e ser Igreja de portas franqueadas a todos, aberta para a todos receber e por todos rezar, vencendo a indiferença com o amor.

Mais do que lamentarmo-nos pelo declínio de uma civilização em fim de ciclo, que a violência, o terror, o medo e a pobreza indiciam, devemos ser capazes de iluminar o mundo com a luz transformadora que nos vem do amor misericordioso de Deus e renasce em cada Páscoa. Importa sentir que um futuro justo e solidário, de que a unidade dos cristãos e a comunhão da Igreja devem ser sinal e anúncio, não é um destino distante nem um caminho inacessível. O Papa Francisco lembra-nos que “na encarnação, na vida terrena, na morte e ressurreição do Filho de Deus, abre-se definitivamente a porta entre Deus e o homem, entre o Céu e a terra”.

Centramos esta Caminhada da Quaresma – Páscoa na liturgia de cada domingo. Aí se inspiram os desafios semanais a pormos em prática, os gestos significativos e os compromissos de ação a realizar. Aí encontramos a “chave da porta” que nos abre o coração para a mensagem inspiradora para a semana e para a oração pessoal, familiar e comunitária de cada dia.

Aí sentiremos os apelos de Deus à renovação espiritual, que está ao alcance de todos nós, sacerdotes, diáconos, consagrados e leigos, e de todos faz testemunhas da ressurreição e mensageiros felizes do evangelho.

 

Vamos transformar estes apelos de Deus em imperativos de conversão e em compromissos de missão, para que o mundo sinta a ternura do amor de Deus.

 

Coloco esta mensagem no coração de cada um dos diocesanos e de todas as famílias, paróquias, comunidades religiosas e movimentos apostólicos, para que em todos se reavive a bela experiência quaresmal e pascal, que nos leva, a partir do encontro com Cristo, ao encontro de quantos habitam esta mesma casa, que é a diocese do Porto.

 

Faço meus os votos, os desafios e os sentimentos do Papa Francisco que conclui assim a sua mensagem da Quaresma para este ano: “Com estes votos, asseguro a minha oração por cada crente e cada comunidade eclesial para que percorram, frutuosamente este itinerário, enquanto, por minha vez, vos peço que rezeis por mim. Que o Senhor vos abençoe e Nossa Senhora vos guarde!”

Com afeto fraterno desejo a todos uma abençoada Quaresma e uma santa e feliz Páscoa.

 

Porto, 28 de janeiro, festa de S. Tomás de Aquino, de 2015

António Francisco, Bispo de Porto

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

D. António Maria Bessa Taipa em entrevista à Voz Portucalense
2017-10-11 16:12:03
Powerpoint + PDF
2017-10-09 11:26:12
Recursos gráficos
2017-09-19 13:45:08
Formato ICS (Google, Outlook, iCal, ...)
2017-08-21 15:07:09
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.