Faixa publicitária
CARTA PASTORAL - Felizes os misericordiosos PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Textos e Apresentações

1. Misericórdia

“Jesus Cristo é o rosto da misericórdia do Pai”, recorda-nos o Papa Francisco nas palavras que abrem a Bula em que nos anuncia o Ano da Misericórdia (RM 1).

Somos, assim, convidados a um renovado encontro pessoal com Deus em Jesus Cristo, no âmbito de uma Comunidade. O Ano da Misericórdia é, por isso, muito mais que um elenco imaginativo de gestos evocativos de misericórdia e de perdão. Esses gestos terão sentido se estiverem ao serviço daquilo a que o Santo Padre chama contemplação do mistério da misericórdia. Caso contrário, estaríamos a entreter-nos com atividades de cariz religioso para cumprir mais um ano.

A contemplação da misericórdia – em última instância, da misericórdia divina – oferece-nos, a todos, o conforto de estarmos a coberto do seu manto protetor. Mas implica-nos, também – também a todos – no exercício da misericórdia: sempre e em todas as circunstâncias. Nada de novo, por outra parte, se levarmos a sério a oração que, a pedido dos discípulos, a nosso pedido, Jesus Cristo pôs nos nossos lábios: “perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido” (Lc 11, 4; Mt 6, 12). A misericórdia não é, pois, uma realidade de um único sentido. Envolve-nos a todos: como destinatários e como atores. O Ano da Misericórdia não está ao serviço de uma sociedade de direitos, mas de direitos e de deveres.

É neste espírito jubilar do Ano da Misericórdia proposto pelo Papa Francisco que queremos e devemos concretizar o lema, cumprir os objectivos e realizar o que programamos no Plano Diocesano de Pastoral, que tem por tema: “A Alegria do Evangelho é a nossa missão: Felizes os misericordiosos!”

A matriz programática em que se alicerça e a pedagogia pastoral que desenvolve o nosso Plano Diocesano de Pastoral têm como desígnio de missão a comunhão diocesana vivida como caminho sinodal, que é o caminho do futuro da Igreja, como recentemente lembrava o Papa Francisco aos Bispos, reunidos no Sínodo sobre a Família (Discurso ao Sínodo dos Bispos, 17 .10.2015).

2. Lugares da misericórdia

Além da Catedral, Igreja-Mãe da Diocese, são indicadas em anexo as igrejas jubilares em toda a geografia diocesana. São lugares por excelência para o exercício evangelizador e cultual da misericórdia. Aí terão lugar, com prioridade mas sem caráter exclusivo, as principais ações sugeridas na bula O rosto da misericórdia.

As igrejas escolhidas são já (ou estão chamadas a ser) locais de convergência das populações locais na busca de serviços eclesiais. A sua potenciação, desejavelmente, poderá ter um efeito agregador dos projectos das respectivas vigararias e dos dinamismos pastorais da diocese. Um Ano Santo não se esgota na roda de 12 meses, mas deve deixar sementes que germinem, floresçam e frutifiquem nas estações seguintes.

A peregrinação (RM 14), a visita à igreja jubilar, está primariamente associada à indulgência, assumidos e vividos os compromissos previstos pela Igreja para estas circunstâncias. “O jubileu, recorda o Santo Padre, inclui também o referimento à indulgência. Esta, no Ano Santo da Misericórdia, adquire uma relevância particular. O perdão de Deus para os nossos pecados não conhece limites. (…) No sacramento da Reconciliação, Deus perdoa os pecados, que são verdadeiramente apagados; mas o cunho negativo que os pecados deixaram nos nossos comportamentos e pensamentos permanece. A misericórdia de Deus, porém, é mais forte também do que isso. Ela torna-se indulgência do Pai que, através da Esposa de Cristo, alcança o pecador perdoado e liberta-o de qualquer resíduo das consequências do pecado, habilitando-o a agir com caridade, a crescer no amor em vez de recair no pecado” (RM 22).

O acesso à misericórdia, em cada igreja jubilar, é simbolizado pelo ingresso pela porta santa (RM 14). Aberta em Roma no dia 08 de dezembro (RM 4), será também aberta no domingo seguinte, dia 13, em cada Igreja diocesana. Iniciaremos a celebração, na nossa Diocese, às 15,30 horas, na Igreja de S. Lourenço, no Seminário Maior da Sé, que será a igreja estacional, donde partiremos rumo à porta santa da Catedral. A participação nesta celebração será manifestação da unidade da Igreja diocesana com o seu Bispo. Em datas posteriores ao dia 13, esta celebração poderá ser replicada ao nível vicarial ou paroquial. “A ‘porta da fé’ (cf At 14, 27), escreveu Bento XVI (A porta da fé, 1), que introduz na vida de comunhão com Deus e permite a entrada na sua Igreja, está sempre aberta para nós”. E a porta é Cristo, o Bom Pastor que dá a vida pelas suas ovelhas (cf Jo 10, 11).

As igrejas jubilares, com efeito, são mais que lugares: são símbolos públicos da infinita misericórdia de Deus e apelo ao exercício de uma misericórdia humana sem limites. “Ao atravessar a porta santa, deixar-nos-emos abraçar pela misericórdia de Deus e comprometer-nos-emos a ser misericordiosos com os outros, como o Pai é connosco” (RM 14). A igreja jubilar e a porta santa negariam ou ocultariam o seu sentido se estivessem habitualmente fechadas. Pede-se, por isso, que, de acordo com as respetivas circunstâncias, se providenciem horários de abertura razoavelmente alargados.

3. Compreensão da misericórdia

As igrejas jubilares são espaços privilegiados para a compreensão aprofundada e para a experiência pessoal da misericórdia.

O Papa Francisco retoma (RM 15) o elenco clássico de obras de misericórdia: corporais e espirituais (cf Catecismo da Igreja Católica, 2447). Convida-nos a refletir sobre o seu alcance: “Será uma maneira de acordar a nossa consciência, muitas vezes adormecida perante o drama da pobreza, e de entrar cada vez mais no coração do Evangelho, onde os pobres são os privilegiados da misericórdia divina” (RM 15).

Esta esquematização oferece-nos um programa de fácil execução, para, por exemplo: formação de adultos, catequese infantil, juvenil e familiar, caminhadas de advento-natal e de quaresma-páscoa, conferências quaresmais, representações cénicas, cortejos públicos, exposições artísticas e outras possíveis iniciativas evangelizadoras e culturais.

O tempo litúrgico da Quaresma é assumido, na mente do Santo Padre, como ocasião privilegiada para intensificar a aproximação à misericórdia. Situa aqui, na sexta-feira e sábado anteriores ao 4º domingo da Quaresma, a 4 e 5 de março, as 24 horas para o Senhor. Este ano, com a existência das igrejas jubilares e o espírito de peregrinação, recomenda-se um especial empenho na vivência desse Dia para o Senhor.

O encontro pessoal com a misericórdia divina e o renovado compromisso do exercício da misericórdia têm uma privilegiada expressão no Sacramento da Reconciliação. “Com convicção, ponhamos novamente o sacramento da Reconciliação no centro, porque permite tocar sensivelmente a grandeza da misericórdia. Será, para cada penitente, fonte de verdadeira paz interior” (RM 17).

A programação desta oferta, para a igreja jubilar e para as paróquias e igrejas em geral, pressupõe uma generosa disponibilidade de todo o presbitério: não apenas dos responsáveis pelas igrejas jubilares nem apenas dos párocos e capelães. “Não me cansarei jamais de insistir com os confessores, apela o Papa Francisco, para que sejam um verdadeiro sinal da misericórdia do Pai. Ser confessor não se improvisa. Tornamo-nos tal quando começamos, nós mesmos, por nos fazer penitentes em busca do perdão. Nunca esqueçamos que ser confessor significa participar da mesma missão de Jesus e ser sinal concreto da continuidade de um amor divino que perdoa e salva” (RM 17).

No sacramento da Reconciliação fazemos a experiência profunda do perdão: a insondável grandeza de um Deus que perdoa; o abraço que estreita todas as distâncias e cura as feridas. “O perdão das ofensas torna-se a expressão mais evidente do amor misericordioso e, para nós cristãos, é um imperativo de que não podemos prescindir. Como parece difícil, tantas vezes, perdoar! E, no entanto, o perdão é o instrumento colocado nas nossas frágeis mãos para alcançar a serenidade do coração” (RM 9).

Neste âmbito queremos agradecer a Deus o dom dos sacerdotes que dedicam em cada semana tempo à celebração do sacramento da reconciliação e rezamos para que nós, presbíteros e bispos, nos entreguemos com regularidade e generosidade a acolher os que procuram a misericórdia divina, disponibilizando lugar e tempo para a celebração deste sacramento.

4. Instituições da misericórdia

Ao longo dos tempos, e hoje, com as inevitáveis marcas pessoais e das respetivas épocas, é enorme o rol das instituições dedicadas ao serviço dos mais desfavorecidos e marginalizados. Em muitos casos são instituições que atravessaram os séculos e permanecem na linha da frente da real proximidade aos mais carenciados. Santas Casas da Misericórdia, Cáritas, Conferências Vicentinas, Centros Sociais Paroquiais, Obra Diocesana e Fundações são apenas alguns exemplos de sustentáculos da sociedade dos esquecidos, dos marginalizados, dos frágeis e dos pobres

A Igreja não reivindica o exclusivo deste serviço e deste mérito. Mas, por amor à verdade, não pode deixar de recordar que assume o dever e o direito de estar nestes terrenos onde continuam a faltar ações e a sobrar discursos.

A credibilidade das instituições constrói-se sobre a credibilidade das pessoas que as integram e as servem. Este Ano da Misericórdia é uma ocasião propícia para a avaliação e para procurar, uma e outra vez, a fidelidade aos carismas inspiradores. A qualidade profissional com que se serve pode e deve ser potenciada com os valores cristãos que, mesmo de modos diferentes, estão nas suas origens. O Papa Paulo VI não considerou falta de modéstia afirmar a Igreja como “perita em humanidade” (Alocução à Assembleia Geral das Nações Unidas, 04.10.1965). Estas instituições têm a particular responsabilidade de serem, ainda que não em exclusivo, o comprovativo desta afirmação. Com efeito, escreve o Papa Francisco, “é determinante para a Igreja, e para a credibilidade do seu anúncio, que viva e testemunhe, ela mesma, a misericórdia. A sua linguagem e os seus gestos, para penetrarem no coração das pessoas e desafiá-las a encontrar novamente o caminho para regressar ao Pai, devem irradiar misericórdia” (RM 12).

5. Referências da misericórdia

É, felizmente, interminável o número das pessoas que gastaram a vida ao serviço do próximo, mormente dos mais desfavorecidos e marginalizados. Na maioria dos casos, a sua ação discreta e escondida não fica registada na história dos homens. A longa existência da nossa Diocese testemunha a riqueza e extensão de tantas vidas profundamente marcadas pelo exercício da misericórdia.

Recordamos apenas três nomes mais recentes: o Bispo D. António Barroso, o Padre Américo Monteiro de Aguiar (Pai Américo) e a Venerável Sílvia Cardoso. Não é aqui o lugar para recordar, ainda que sumariamente, as suas vidas preenchidas por gestos generosos e inovadores de amor e serviço ao próximo. A bondade e a misericórdia sintetizam e definem as suas vidas.

São um apelo a viver neste nosso tempo o mandamento sempre novo do amor (cf Jo 13, 34). O progresso no reconhecimento, por parte da Igreja, da heroica exemplaridade universal das suas vidas depende de todas nós. Não se trata de um gesto supérfluo: seria mais um serviço aos pobres e um apelo à vivência efetiva da misericórdia.

6. Epílogo

A Sagrada Escritura e a literatura cristã de todos os tempos são alimento fecundo, capaz de alimentar uma vontade renovada de descobrir mais aprofundadamente a nossa radical vocação de servir. E aí está não apenas o fazer misericórdia mas o ser misericordiosos. É a resposta da Virgem Maria ao projeto de Deus: “Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38).

Às parábolas evocadas pelo Papa Francisco (RM 9) podemos acrescentar, entre tantos outros lugares, a parábola do bom samaritano (Lc 10, 29-37), compêndio de misericórdia. “Jesus Cristo (…) rosto e misericórdia do Pai” convida-nos: “Vai e faz tu também o mesmo”.

É outro modo de entender a vida; é outro modo de olhar para o próximo; é outro modo de descobrir a alegria do Evangelho; é outro modo de viver e proclamar as bem-aventuranças: Felizes os misericordiosos!

Indicamos de seguida as Igrejas Jubilares da nossa Diocese, escolhidas de acordo com as sugestões recebidas em reunião de Vigários, decididas em reunião do Conselho Presbiteral e confirmadas em reunião do Conselho de Pastoral Diocesano:

 

  • Amarante e Baião: Igreja de São Gonçalo (Amarante)
  • Arouca-Vale de Cambra: Igreja do Convento de Santa Mafalda (Arouca) / Santuário de Santo António (Vale de Cambra)
  • Castelo de Paiva-Penafiel: Igreja do Calvário (Penafiel)
  • Espinho-Ovar: Igreja Matriz (Espinho) / Igreja Matriz (Ovar)
  • Felgueiras: Igreja Matriz (Felgueiras) / Santuário de Santa Quitéria
  • Gondomar: Igreja Matriz (Gondomar)
  • Lousada: Igreja do Senhor dos Aflitos (Lousada)
  • Maia: Santuário de Nossa Senhora do Bom Despacho (Maia)
  • Marco de Canaveses: Santuário do Menino Jesus de Praga (Avessadas)
  • Matosinhos: Igreja Matriz (Matosinhos)
  • Oliveira de Azeméis-São João da Madeira: Igreja de Cucujães
  • Paços de Ferreira: Igreja Matriz (Paços de Ferreira)
  • Paredes: Igreja Matriz (Castelões de Cepeda)
  • Porto Nascente e Porto Poente: Catedral
  • Santa Maria da Feira: Igreja Matriz (Santa Maria da Feira)
  • Santo Tirso: Igreja Matriz (Santo Tirso)
  • Trofa-Vila do Conde: Igreja de Nossa Senhora das Dores (Trofa) / Igreja Matriz (Árvore, Vila do Conde)
  • Valongo: Santuário de Nossa Senhora do Bom Despacho, Mão Poderosa e Santa Rita (Ermesinde)
  • Vila Nova de Gaia-Norte: Igreja Matriz (Mafamude)
  • Vila Nova de Gaia-Sul: Santuário do Coração de Maria (Carvalhos)
  • Mosteiro Beneditino de Singeverga: Igreja do Mosteiro

 

 


Porto, 3 de dezembro, memória litúrgica de S. Francisco Xavier, do ano de 2015

António Francisco dos Santos, Bispo do Porto

António Bessa Taipa, Bispo Auxiliar do Porto

Pio Alves de Sousa, Bispo Auxiliar do Porto

Anexos:
Fazer download deste arquivo (CARTA PASTORAL_FINAL.pdf)CARTA PASTORAL
 Felizes os misericordiosos
 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

D. António Francisco dos Santos fala sobre o padre Joaquim Cunha, sacerdote mais idoso de Portugal

Decreto Sobre as Virtudes do Servo de Deus ANTÓNIO JOSÉ DE SOUSA BARROSO Bispo do Porto e Missionário
2017-07-25 11:34:15
Texto
2017-07-20 17:35:49
Word
2017-07-20 17:35:10
Powerpoint + PDF
2017-07-11 14:08:03
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.