Faixa publicitária
UMA LEITURA GUIADA PARA A CAMINHADA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - “A ALEGRIA DO EVANGELHO É A NOSSA MISSÃO”

2.ª Semana do Advento: a árvore dos sonhos

1- A primeira leitura oferece-nos uma imagem sugestiva, para o sonho em família: a de “um ramo que sai do tronco de Jessé, a de um rebento que brotará das suas raízes” (cf. Is 11,1-10). Ali, de um toco de madeira, caído no chão, inerte, sem esperança de vida, brota um ramo, um rebento, figura de uma vida nova, que desponta precisamente donde e quando nada se espera. Nas representações da árvore de Jessé, este é representado quase sempre na posição de quem dorme um sono e sonha um futuro. “Todo a mãe e todo o pai sonharam o seu filho nove meses” (AL 169).

2- E o Evangelho (Mt 3,1-12) traz, em contraluz, a ameaça de cortar e lançar ao fogo “toda a árvore que não dá fruto”. Na verdade, «a árvore conhece-se pelos frutos» (Lc 6,44).

3- Aplicada à família é sugestivo pensar, que o casal, que permanece no amor, fiel ao sonho de Deus, dá fruto a seu tempo.

 

“E devemos dar um fruto que permaneça. Todos os homens querem deixar vestígios duradouros. Mas o que permanece? O dinheiro não. Também os edifícios não permanecem; os livros também não. Depois de um certo tempo, mais ou menos longo, todas estas coisas desaparecem. A única coisa que permanece eternamente é a alma humana, o homem criado por Deus para a eternidade. O fruto que permanece é portanto quanto semeámos nas almas humanas - o amor, o conhecimento; o gesto capaz de tocar o coração; a palavra que abre a alma à alegria do Senhor. Então vamos rezar ao Senhor, para que nos ajude a dar fruto, um fruto que permaneça. Só assim a terra será mudada de vale de lágrimas para jardim de Deus” (Cardeal Ratzinger, Homilia na Missa Pro Eligendo Romano Pontifice, 18.04.2005).

4- Podemos pensar na árvore genealógica da nossa família e nos frutos que ela deu ou não; pensemos que os filhos são um “fruto” e não um “produto”.

5- Os filhos são sonhados pelos pais, mas eles próprios têm os seus sonhos. E é preciso que os pais não projetem nos filhos os seus próprios sonhos não realizados. Escreveu Santa Madre Teresa de Calcutá:

“Ensinarás a voar... Mas não voarão o teu voo.

Ensinarás a sonhar... Mas não sonharão o teu sonho.

Ensinarás a viver... Mas não viverão a tua vida.

Ensinarás a cantar... Mas não cantarão a tua canção.

Ensinarás a pensar... Mas não pensarão como tu.

Porém, saberás que cada vez que voem, sonhem, vivam, cantem e pensem...

Estará a semente do caminho ensinado e aprendido”!

6- “Por conseguinte, não é importante se esta nova vida te será útil ou não, se possui características que te agradam ou não, se corresponde ou não aos teus projetos e sonhos. Porque «os filhos são uma dádiva! Cada um é único e irrepetível (...). Um filho é amado porque é filho: não porque é bonito ou porque é deste modo ou daquele, mas porque é filho! Não porque pensa como eu nem porque encarna as minhas aspirações. Um filho é um filho»” (AL 170).

7- Podemos pensar, a partir dos frutos da árvore dos sonhos, na fecundidade física, espiritual e apostólica das famílias, abertas ao dom da vida. Na verdade, “o amor sempre dá vida” (AL 165). É oportuno pensar em que medida as nossas famílias são capazes não apenas de geração mas também de acolhimento da vida (cf. AL 166). E pode falar-se também de uma fecundidade alargada (AL 178-186), como por exemplo através da adoção, do apoio a outras famílias, do acolhimento de refugiados, etc.

8- Aplicada à comunidade cristã, é altura de avaliar a forma como são acolhidas e integradas as crianças, como são preparados os batismos das mesmas. O desafio é claro na 2.ª leitura e estende-se a muitos âmbitos da vida pastoral: “Acolhei-vos uns aos outros, como Cristo vos acolheu, para glória de Deus” (Rm 15,4-9). “Acolher” foi um dos verbos mais repetidos nos dois últimos sínodos sobre a família e retomados pelo Papa Francisco, na consequente Exortação Apostólica Amoris Laetitia.

9- Será de perguntar e pensar:

Dá muito fruto a minha família? Dá muito fruto a minha comunidade?

Que frutos de paciência, de acolhimento, desejaria

para a minha família ou para a minha comunidade?


Um texto inspirador

“Os vossos filhos

não são vossos filhos:

são filhos e filhas

do chamamento da própria Vida.

 

Vêm por vosso meio

mas não de vós;

e apesar de estarem convosco,

não vos pertencem.

 

Podeis dar-lhes o vosso amor;

mas não os vossos pensamentos:

porque eIes têm pensamentos próprios.

 

Podeis acolher os seus corpos;

mas não as suas aImas:

porque as suas aImas

habitam a casa de amanhã

que não podeis visitar,

nem sequer em sonhos”.

Khalil Gibran (1883-1931)


Comentando este belo texto, diz o Cardeal Ravasi: “A pessoa nunca pode ser possuída, nem sequer no caso do filho. Toda a criatura é sempre uma surpresa, fruto da infinita «fantasia» do Criador, ainda que guardando dentro de si a marca fisiológica dos pais. Neste sentido, a educação é, sim, importante, como o é a família. Todavia, o destino de um filho nunca será o fruto puro e simples do contexto em que viveu, nem tampouco a objetivação dos sonhos e das expetativas dos pais. Os pais, por isso, comprometam-se com todas as forças para fazer brilhar valores e capacidades dos seus filhos, mas estejam prontos – como Maria e José, ainda que o seu caso tenha sido absolutamente irrepetível – a aceitar o caminho que tomarem, diferente do esperado por eles. E se realizaram o seu dever de guias e educadores, não se culpem angustiadamente perante o fracasso humano e espiritual de um seu filho, conscientes da liberdade e responsabilidade última de cada pessoa».

Cardeal Gianfranco Ravasi, in Avvenire, traduzido por Rui Jorge Martins e publicado em http://www.snpcultura.org/, 15.09.2015

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

rito da coroa / pegada / preces
2017-11-29 11:43:29
Vigília
2017-11-02 17:36:10
Rosário
2017-11-02 17:35:48
Áudio
2017-11-02 17:34:38
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.