Faixa publicitária
Solenidade da Imaculada Conceição PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2017

1 – Recordamos e preparamos a vinda do Senhor, celebramos a solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria, e ordenamos três Diáconos Permanentes.

Tudo converge em Jesus de Nazaré, que a Senhora concebeu e deu à luz por graça do Espírito Santo, que apaixonou e determinou a vida destes ordinandos. Esse Jesus que veio, vem e virá.

2 – “Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra”. É a palavra que abre caminho à sua primeira vinda Jesus. É assim que Maria encerra este belo e pedagógico diálogo com o Anjo da Anunciação. Com Deus. Um diálogo entre Deus e a sua criatura. Um namoro. O objetivo é conquistar a amada para colaborar no projeto que tem concebido desde antes da criação do mundo, “escolheu-nos para sermos e irrepreensíveis, em caridade, na sua presença” , “predestinou-nos para sermos seus filhos adotivos por Jesus cristo” (Ef 1,4-5).

No “sim“ de Maria Deus encontrou a esposa do seu coração. Foi a sua alegria, foi a alegria da Virgem “alegra-te”. Foi o encontro que Deus esperava desde toda a eternidade, o coroamento do seu sonho de amor.

3 – Esta menina, esta jovem judia, neste diálogo com o seu Senhor, é aquela “mulher” para a qual, desde o princípio do mundo, está voltada a humanidade na esperança da sua reconciliação com Deus. “Estabelecerei inimizade entre ti e a mulher, diz o Senhor à serpente, entre a tua descendência e a descendência dela. Esta te esmagará a cabeça e tu a atingirás no calcanhar” (Gn 3, 15). É o “sim” de deus à sua promessa.

É a misericórdia de Deus a revelar-se.

4 – Maria define-se, diz-se toda, naquela resposta final e conclusiva ao Anjo da Anunciação. Ela é resposta à Palavra. É ressonância da Palavra que a diz na sua fé javista. Na confiança absoluta no seu Deus que ela sabe que não engana nem desilude aqueles e aquelas que nele confiam. Define-a na sua liberdade em relação a todos e a tudo. Ao que pensa, ao que é, aos projectos que acalenta no seu coração de jovem. Ao seu futuro. É a sua pobreza. A sua liberdade. Tudo fica na mão daquele que a chama, que a convida para o seu “projeto de vida”, deixem-me dizer assim. Projeto de que ela não terá ainda consciência plena. Mas acredita. Confia. Entrega-se à omnipotência da Palavra. No fundo, da Palavra a que ela vai dar um rosto humano.

É a voz de um coração preparado por Deus. Que Deus preservou do pecado desde a sua conceção no seio de sua mãe. Que Deus libertou de toda a resistência ao seu amor.

5 – Naquele “sim” encontrou Deus o “espaço” humano para a incarnação de seu Filho, a resposta que esperava do povo que escolhera e que vinha preparando desde há séculos, para o acolhimento de seu Filho. Foi único o seu papel na História da Salvação.

Uma dignidade com que nenhuma mulher ousaria sequer sonhar, ser Mãe do Redentor. Por isso vai ser elevada à consideração de todas as gerações, “todos me hão-de chamar bem-aventurada”. “Felizes os que ouvem a palavra e a põem em prática”.

6 – Entregue ao projeto e Deus, nas mãos do seu Senhor, Maria vai acompanhar o seu Filho até ao momento mais alto da sua vida. Ao momento supremo da sua revelação. Até ao Calvário. A grande Hora.

Mãe. Também ela se entrega ao Pai na mais profunda e mais dolorosa comunhão com aquele que é sangue do seu sangue, e que ali vê entregue ao mais vil e hediondo suplício, o suplício da cruz. Só. Abandonado de todos. É também a sua “morte”, da mãe. O seu grande sacrifício.

7 – E é ali, envolvida neste misterioso abismo de amor e comunhão, que Jesus a constitui nossa mãe, e a nós, seus filhos, na ordem espiritual. “Mulher, Eis o teu Filho”, disse à Mãe “, e depois disse ao Discípulo Amado que ali nos representava a todos “eis a tua Mãe”, “Ecce Mater tua”.

8 – Assim a coloca Jesus entre Ele e nós, neste diálogo de salvação com Deus, de que Ele é a última e definitiva Palavra.

Maria assume, cominua a sua obediência à palavra. Assume a nova condição: ser Mãe Espiritual de todos os crentes. Continua a sua singularidade na História da salvação.

9 – É vê-la em Caná da Galileia. “Não têm vinho” confidencia ela a Jesus. Vai ser uma humilhação, uma vergonha para esta pobre gente que nos convidou. Maria sente-o:

Também hoje leva até Ele, a nossa vida a que ela está particularmente atenta. Não têm trabalho. Não têm possibilidades de responder às exigências do seu dia a dia. Vivem tristes. Dominados por uma situação escura, para a qual não encontram luz capaz. Alguns vivem mesmo sem esperança. Aterrorizados diante de um futuro que imaginam tenebroso. Tantos que têm que fugir da sua terra… Dirá hoje a seu Filho.

Atenta àqueles que o Filho lhe confiou, ela entrega-os aos cuidados do seu divino coração, amantíssimo, que é fruto das suas entranhas.

10 – Mas se fala de nós a Jesus, também a nós, nos fala d’Ele. “Fazei o que Ele vos disser”, diz ela aos servos naquelas bodas de casamento.

É palavra que continua a dizer-nos, também hoje. Agora. Jesus de Nazaré é o caminho das nossas vidas. É nele e por ele que o nosso peregrinar tem sentido, é nele e por ele que a nossa vida é um caminhar de mãos dadas para o Pai. É nele e por ele que a vida vale sempre a pena ser vivida em todos os momentos e em todas as situações. É nele e por ele que sentimos e ouvimos a palavra amorosa do Pai.

11 – É este Jesus que apaixona estes que, por sua graça, vão ser ordenados Diáconos. Queremos acolhê-los como dons de Deus. Como sinais do seu amor à Igreja a que os envia.

Diáconos para seu serviço. Dessa Igreja e do mundo. Chamados por ele, deles se espera que, à imagem da Mãe, estejam atentos à vida dos seus irmãos. Que sejam sensíveis à sua vida, que sintam as suas dores e angústias, para os levar aos cuidados do Jesus que os chama e envia.

12 – Deles se espera que, àqueles que vão servir, levem o mesmo Jesus. Que os sirvam no serviço da palavra e da celebração. Que lhes anunciem e os instruam no seu conhecimento. Que os façam sentir o encanto e a beleza da palavra. A alegria do evangelho.

17 – Por isso deles se espera um claro e profundo amor à comunidade que há-de transparecer na delicadeza e na humildade, no carinho e na dedicação, com que a servem.

E deles se espera também o devido cuidado numa formação que se quer e espera permanente e constante. E a sua oração.

Deus estará com eles. E estará. E a Virgem Imaculada, também as suas dificuldades e projectos, as suas dificuldades e problemas, levará até Jesus que providenciará. E também a eles, e com o afeto de mãe amantíssima, como ela é, lhes dirá “Olhai e fazei o que Ele vos disser”.

Na obediência a esta palavra estará o segredo da sua felicidade.

 

+ António Maria Bessa Taipa

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Missa da Peregrinação diocesana do Porto de 9 de Setembro 2017

Angelus TV

rito da coroa / pegada / preces
2017-11-29 11:43:29
Vigília
2017-11-02 17:36:10
Rosário
2017-11-02 17:35:48
Áudio
2017-11-02 17:34:38
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.