Faixa publicitária
Homilia - Domingo de Ramos PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Homilias 2018

 

A celebração do Domingo de Ramos e da Paixão é o grande pórtico da Semana Santa. Conduzidos pelo Espírito e iluminados pela Palavra de Deus somos convidados a viver esta semana maior como a celebração dos mistérios essenciais do cristianismo e a redescobrir a centralidade de Jesus Cristo e da sua Páscoa para a nossa fé.

 

 

No primeiro dia desta semana tudo começa com a entrada de Jesus em Jerusalém. O acolhimento festivo que a multidão de homens, mulheres e crianças lhe presta é digno de um rei que entra na sua cidade, digno de um Messias aclamado por um povo ansioso pela sua chegada. Porém é ainda e só o primeiro andamento, o primeiro capítulo (não o último) da história decisiva para a nossa salvação. Na vida pessoal podemos iludir-nos com entusiasmos fáceis ou triunfos prematuros; em sociedade pode-se resvalar para exaltações precipitadas ou promoções de heróis fugazes e inconsistentes; na vida da igreja podemos tentar-nos por triunfalismos fáceis ou adesões epidérmicas. Mas como discípulos de Jesus que querem estar com Ele e viver com Ele esta Páscoa, entremos com alegria na cidade conscientes de que é preciso ir com Ele até ao fim, porque só então, no rosto do crucificado e no brilho do Ressuscitado se dá a plena revelação do autêntico Messias de Deus. Mais do que número de multidão vibrante, queremos fazer parte do grupo daqueles e daquelas que estão junto à cruz ou da comunidade em que o ressuscitado se faz presente.

Para estar com Cristo nesta Páscoa, para seguir os seus passos, importa ter presente o movimento de fundo da sua vida, traduzida por São Paulo no Hino da Carta aos Filipenses: «Cristo Jesus, que era de condição divina, aniquilou-se a si próprio, assumindo a condição de servo, tornou-se semelhante aos homens». Este movimento de descida, esvaziamento, dom de si até ao fim e obediência até à morte na cruz credibiliza e autentica a sua humanidade. Chegado ao extremo do humano, este movimento inverte-se e torna-se, por obra do Pai, ascendente, feito de exaltação e glorificação. Ao discípulo que quer celebrar a Páscoa com o Mestre, é dirigido o apelo que S. Paulo faz no versículo precedente; «Tende os mesmos sentimentos que havia em Cristo Jesus» (Fil.2,5). Estar com Cristo ao longo dos dias desta semana implica por isso sair de si mesmo e estar disponível para cumprir a vontade do Pai sendo fiel até ao fim, ousando amar e servir até ao limite das suas capacidades. Caminhar com Cristo nesta via sagrada supõe a coragem de uma fé livre e aberta à novidade de Deus.

A vivência da semana pascal mergulha-nos nas contradições mais profundas com que o homem se confronta: morte e vida; humilhação e exaltação; solidão e multidão. Experimentando-as na sua carne humana, Jesus ensina-nos a não nos resignarmos a uma lógica bipolar em que os termos se excluem, mas a enfrenta-los acreditando que superação é possível. De facto pela acção de Deus, a morte pode dar lugar à vida, a humilhação à exaltação, o sofrimento à alegria e à glória. Desta forma, o mistério pascal deverá constituir a resposta a um paradoxo em que vive mergulhada a cultura na modernidade: a oposição entre Deus e o homem. Conceber que entre ambos existe uma concorrência ou contraposição é um equívoco. De facto quando uma sociedade esquece a Deus, o nega ou marginaliza, não se torna mais humana ou fraterna, pelo contrário, evidencia sinais de indiferença e de carência de valores.

Na liturgia de hoje ecoa o grito do salmista: «Meu Deus, meu Deus porque me abandonastes?», a última palavra que Jesus dirige ao Pai no alto da cruz. Esta oração, expressão suprema de dor, traduz o abandono sem reservas do Filho nas mãos do Pai e porventura como nenhuma outra na história, exprime a impotência e a fragilidade humana perante o mistério do sofrimento e o abismo da morte. Na celebração da Páscoa afirmamos a nossa convicção de que o Pai que escutou o grito do lilho é o mesmo Deus que não esquece o homem mas acredita nele; não desiste da criatura, obra das suas mãos, antes, pelo seu infinito amor, com ela se compromete até ao fim.

A Páscoa é a grande proclamação de que o homem pode aspirar à salvação. Porém não uma salvação como sobrevalorização das capacidades humanas, mas dom de Deus por Jesus Cristo. Como esclarecia uma recente carta da Congregação da Doutrina da Fé, a salvação não depende das forças do indivíduo ou das estruturas humanas nem se reduz apenas a uma interioridade extrínseca ao corpo e ao mundo. A autêntica vivência pascal ajuda-nos a aprofundar a consciência de que o homem não pode salvar-se a si mesmo sem reconhecer a necessidade de Deus e dos outros. «A salvação plena da pessoa não consiste nas coisas que o homem poderiatglítér por si mesmo (ter, bem-estar, ciência, técnica, poder influência, fama...)». A boa nova da salvação tem um nome e um rosto: Jesus Cristo, Filho de Deus e realiza-se na entrega da sua vida na cruz.

A celebração da Páscoa leva-nos a descobrir que, da salvação entendida como dom de Deus, ninguém está excluído. Todos são convidados para a Páscoa de Cristo; todos são desafiados a caminhar com Ele; todos são atraídos à sua contemplação na cruz. Nesse sentido verificamos, sintomaticamente, que o relato da paixão segundo S. Marcos começa com o gesto inusitado de uma mulher anónima e termina com a afirmação de fé de um improvável centurião. Ela, durante aquela refeição em Betânia, derrama o perfume de nardo puro sobre a cabeça de Jesus. Perante a censura dos presentes, Jesus esclarece que aquele gesto representava uma unção antecipada do seu corpo para a sepultura. De forma inconsciente mas profética aquela mulher reconheceu em Jesus o verdadeiro Messias, mostrando-nos como a adesão pessoal e de coração a Ele é um passo determinante. O centurião, proveniente de outra cultura, foi capaz de interpretar sabiamente aqueles acontecimentos e chegar à conclusão da fé: «Na verdade este homem era o Filho de Deus».

Para cada um de nós, para a Igreja e para o mundo, cada semana santa é sempre especial, experiência espiritual única porque nos permite celebrar e meditar no mistério infinito do amor de Deus por nós e por todos. Celebrar esse mistério atual e sempre novo confirma a nossa fé; meditar nesse mistério ajuda-nos a perceber como é esse amor divino que nos sustenta e só ele responde às nossas inquietações mais profundas.

No primeiro dia desta semana santa manifestemos a disposição de caminhar com Cristo nestes dias em que Ele se entrega ao Pai para nossa salvação. Na eucaristia, e como Ele nos mandou, façamos memória viva dessa entrega, afirmando a nossa fé de que comungando o seu corpo e o seu sangue, viveremos por Ele e com Ele passaremos da morte à vida.

Porto, 25 de março de 2018
+ António Augusto de Oliveira Azevedo

 

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Recursos Gráficos
2018-07-13 15:07:10
Word
2018-07-13 14:53:13
Google Calendar - .CSV
2018-07-13 14:52:18
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.