POLITICA DE COOKIES
Utilizamos cookies para assegurar que lhe fornecemos a melhor experiência na nossa página web. Ao continuar a navegar consideramos que aceita o seu uso.
COMPREENDO E ACEITO

Coronavírus. Portugal e Espanha unem-se em pedido de proteção divina


Os bispos de Portugal e de Espanha estarão unidos em oração esta quarta-feira numa histórica consagração ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria, pedindo proteção divina contra o novo coronavírus, que já causou várias vítimas nos dois países.

Com os dois países em Estado de Emergência, por causa da pandemia, os bispos de Portugal e Espanha não vão estar juntos fisicamente, mas a cerimónia será conduzida em Fátima pelo cardeal D. António Marto.

A iniciativa da consagração partiu da Conferência Episcopal Portuguesa, mas o episcopado espanhol decidiu unir-se à iniciativa dos portugueses e pela primeira vez os dois países serão consagrados em simultâneo, e em conjunto.

“Esse é o sentido da Consagração: confiarmo-nos a nós mesmos, e confiar as nossas dores a Jesus e a Maria, nossa Mãe, invocar a proteção divina para que, pela inspiração e pela força do Espírito Santo, Deus realize em nós e através de nós, aquilo que só Ele pode e sabe fazer para o bem da humanidade, e para a libertação deste flagelo que é a epidemia”, afirmou em entrevista à Renascença o cardeal D. António Marto, explicando que a data não foi escolhida ao acaso.

“Acontece num dia litúrgico muito significativo, porque é o Dia da Anunciação do Mistério da Encarnação, do Filho de Deus que se fez Homem, e assumiu os limites e as dores da nossa humanidade, sempre acompanhado pela sua Mãe, Maria, que esteve de pé junto à cruz também”.

O cardeal, bispo de Leiria-Fátima e vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, irá presidir a este momento especial de oração, no Santuário, a que espera todos possam unir-se, mesmo à distância.

“Esta oração de Consagração, de nos confiarmos e confiar Portugal e a Espanha à proteção divina de Jesus e de Maria, é feita em união com todas as dioceses, por isso convido todos os católicos a associarem-se e a participarem através dos meios de comunicação social, não como quem assiste passivamente, mas como quem participa espiritualmente, num lugar da própria casa, numa atitude de recolhimento, de oração. Faço este apelo para que todos possamos sentir a força desta oração, que nos ajuda a tomar consciência da nossa própria responsabilidade e a enfrentar as adversidades num espírito de amor solidário”

Também em entrevista à Renascença, o bispo auxiliar de Valladolid, e secretário executivo da Conferência Episcopal Espanhola, diz que esta iniciativa conjunta representa “uma ocasião estupenda, porque tal como o vírus, a oração não conhece fronteiras e vai ajudar a vivermos esta experiência de união entre todas as dioceses de Portugal e de Espanha”.

A celebração, que começa com a recitação do terço, às 18h30, pode ser acompanhada por rádio na Renascença e também por vídeo no site da mesma emissora católica. A RTP Memória também transmitirá em direto a consagração.

Renovar a fé e confiança em Jesus

A consagração não é um ato de magia ou de superstição, explica o padre António Valério, diretor da Rede Mundial de Oração do Papa em Portugal e responsável internacional do Click to Pray.

“A Consagração ao Coração de Jesus é um ato devocional no qual os cristãos, a nível pessoal, familiar, em comunidade, ou em casos especiais, nacional ou mundial, renovam a sua fé e confiança em Jesus. Não é um ato mágico, mas sim uma maior tomada de consciência da importância de Deus na vida da Igreja e um desejo de acolher a sua graça em momentos particulares da vida.”

O facto de a consagração ser ao Sagrado Coração de Jesus e ao Coração Imaculado de Maria também têm significado. “O coração, na linguagem bíblica, significa a totalidade da pessoa, a sua história, desejos, pensamentos e ações. Consagrar-se ao Coração de Jesus ou ao Coração Imaculado de Maria é também manifestar o desejo de o cristão se identificar com os sentimentos de Jesus e de Maria, na união com Deus Pai, na caridade para com os irmãos, no cuidado dos que mais precisam.”

“Neste tempo de pandemia, esta Consagração do país ao Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria significa, também por isso, um compromisso para com as atitudes e decisões que tragam a saúde (salvação) ao mundo. E essas atitudes sabemos bem quais são”, diz.

A consagração não é um ato único, podendo ser repetido. Portugal já foi consagrado a Nossa Senhora pelos bispos católicos portugueses em 1931 e voltaram a fazê-lo ao Sagrado Coração de Jesus em outubro do ano passado.

Oração ecuménica

A iniciativa da consagração é especificamente católica, e nem seria aceite pelas confissões reformadas, mas também esta quarta-feira o Papa convocou todas as confissões cristãs para, ao meio dia em Roma, 11h em Lisboa, rezarem juntos o Pai Nosso.

É uma iniciativa que, na opinião de D. Antonio Marto, dá ainda mais sentido à que vai unir Portugal e Espanha, às 18h30.

“O próprio Santo Padre anunciou para dia 25 uma convocação a nível ecuménico, de todos os cristãos, não só católicos, para rezarem o Pai Nosso todos unidos, ao meio-dia. Isso deu ainda mais sentido à nossa iniciativa em Portugal, porque o Papa disse ‘à pandemia do vírus queremos responder com a universalidade da oração, da compaixão e da ternura’, e isto é típico da nossa fé cristã, fazer tudo o que está ao nosso alcance, e ao mesmo tempo confiar na ação de Deus em nós, e através de nós”, afirmou, na sua entrevista à Renascença.