POLITICA DE COOKIES
Utilizamos cookies para assegurar que lhe fornecemos a melhor experiência na nossa página web. Ao continuar a navegar consideramos que aceita o seu uso.
COMPREENDO E ACEITO

Pastoral da Cultura - Celebrar o domingo em família


Muitas comunidades católicas estão a preparar-se para não poder celebrar o domingo nas igrejas, quer por determinação das dioceses, quer por motivos de saúde individual e pública. A par do acompanhamento da missa nos meios de comunicação, propomos um instrumento como ponto de partida e inspiração para a celebração do domingo em casa, tanto por quem está só, como por aqueles que desejam juntar a família. Ainda que não se possa estar materialmente congregados na igreja, podemos estar espiritualmente unidos na oração comum.

A oração pode ser feita à volta da mesa onde normalmente se parte o pão e se partilham momentos em comum, ou no local da casa que se considere ser mais adequado. Em todo o caso, seria conveniente que o espaço fosse preparado com sinais simples que ajudem à oração – um crucifixo, uma toalha, uma vela, um Evangelho. Se houver mais do que uma pessoa, a mãe ou o pai podem orientar o momento celebrativo, mas todos devem participar ativamente.

 

Introdução (de pé)

Guia
Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.

Todos
Ámen.

Guia
O Senhor Jesus, presente no meio de nós e na Palavra,
nos conserve unidos no seu amor. Bendito seja Jesus, agora e para sempre.

Todos
Bendito seja Jesus, agora e para sempre.

Guia
Hoje é o Dia do Senhor, e, em todo o mundo,
o Povo de Deus reúne-se para escutar a Palavra de Jesus
e para responder-lhe através do louvor.
Na esperança de pode celebrar quanto antes a Eucaristia,
também a nossa família se congrega em comunhão com toda a Igreja.
Em particular, sentimo-nos unidos aos nossos pastores,
e aos irmãos e irmãs das comunidades espalhadas pelo mundo.
A nossa família, recolhida na fé,
acredita que como o Senhor Jesus esperou a samaritana no poço de Jacob,
espera agora também por nós,
neste difícil momento da história do mundo,
para reforçar a nossa fé e a nossa esperança nele,
Deus único e verdadeiro,
do qual recebemos a água viva da salvação.

Pausa de silêncio

Guia
Jesus misericordioso, fonte de todo o bem,
Tu propuseste-nos como remédio para o pecado
o jejum, a oração e as obras de caridade;
olha para nós, que reconhecemos a nossa miséria,
e porque nos oprime o peso das nossas culpas,
console-nos a tua misericórdia.
Por Cristo, nosso Senhor.

Todos
Ámen.

 

Escuta da Palavra (sentados)

Leitor
Escutemos a Palavra do Senhor segundo o Evangelho de João:
Naquele tempo, chegou Jesus a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, junto da propriedade que Jacob tinha dado a seu filho José, onde estava o poço de Jacob.
Jesus, cansado da caminhada, sentou-se à beira do poço. Era por volta do meio-dia.
Veio uma mulher da Samaria para tirar água.
Disse-lhe Jesus: «Dá-me de beber».
Os discípulos tinham ido à cidade comprar alimentos.
Respondeu-Lhe a samaritana: «Como é que Tu, sendo judeu, me pedes de beber, sendo eu samaritana?».
De facto, os judeus não se dão com os samaritanos.
Disse-lhe Jesus: «Se conhecesses o dom de Deus e quem é aquele que te diz: “Dá-me de beber”, tu é que lhe pedirias e Ele te daria água viva».
Respondeu-lhe a mulher: «Senhor, Tu nem sequer tens um balde e o poço é fundo: donde te vem a água viva? Serás Tu maior do que o nosso pai Jacob, que nos deu este poço, do qual ele mesmo bebeu, com os seus filhos e os seus rebanhos?».
Disse-lhe Jesus: «Todo aquele que bebe desta água voltará a ter sede. Mas aquele que beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede: a água que Eu lhe der tornar-se-á nele uma nascente que jorra para a vida eterna».
«Senhor, – suplicou a mulher – dá-me dessa água, para que eu não sinta mais sede e não tenha de vir aqui buscá-la.»

Convida-se ao silêncio meditativo. Livremente, cada pessoa pode pronunciar a palavra que lhe foi mais significativa.

Leitor
Disse a samaritana: «Vejo que és profeta. Os nossos pais adoraram neste monte e vós dizeis que é em Jerusalém que se deve adorar».
Disse-lhe Jesus: «Mulher, acredita em mim: Vai chegar a hora em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. Mas vai chegar a hora – e já chegou – em que os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e verdade, pois são esses os adoradores que o Pai deseja. Deus é espírito e os seus adoradores devem adorá-lo em espírito e verdade».
Disse-Lhe a mulher: «Eu sei que há de vir o Messias, isto é, aquele que chamam Cristo. Quando vier há de anunciar-nos todas as coisas».
Respondeu-lhe Jesus: «Sou Eu, que estou a falar contigo».
Muitos samaritanos daquela cidade acreditaram em Jesus, por causa da palavra da mulher. Quando os samaritanos vieram ao encontro de Jesus, pediram-lhe que ficasse com eles. E ficou lá dois dias. Ao ouvi-lo, muitos acreditaram e diziam à mulher: «Já não é por causa das tuas palavras que acreditamos. Nós próprios ouvimos e sabemos que Ele é realmente o Salvador do mundo».

Pausa de silêncio

 

Reflexão/contemplação

Leitor
No centro da liturgia de hoje está a água como ponto de convergência e de encontro de dois interlocutores: o ser humano e Deus. A água torna-se o símbolo que resume e exprime o pedido do ser humano e a resposta de Deus.
A existência humana revela aspirações infinitas: sede de amor, procura da verdade, sede de justiça, de liberdade, de comunhão, de paz… São desejos muitas vezes inapagados; o desejo de totalidade recebe em resposta apenas pequenos fragmentos; pequenos goles que deixam a sede por dessedentar. Do profundo de si, o ser humano tende para um “mais”, um absoluto capaz de sossegar e extinguir a sua sede de modo definitivo. Mas onde encontrar uma água que aplaque toda a inquietude e apague cada desejo?
A resposta às nossas perguntas é dada por Jesus no encontro com a samaritana. Quem tem sede pode chegar gratuitamente a Ele, e não terá mais sede; ele próprio, aliás, tornar-se-á uma fonte de água que brota para sempre. A promessa da água viva torna-se realidade na Páscoa de Jesus: do seu lado aberto saíram «sangue e água». A pessoa de Jesus torna-se a fonte de quem brita a água do Espírito, isto é, o amor de Deus derramado nos nossos corações no dia do Batismo.
Se a busca e a sede do ser humano encontram em Cristo plena satisfação, é preciso testemunhar como a salvação não está nas “coisas” que acendem novos desejos e inquietações, mas no único valor a que aderimos: Jesus Salvador do ser humano. Não há outra água que faça florir o nosso deserto e que definitivamente aplaque a nossa busca. «Fizeste-nos para ti, Senhor, e o nosso coração está inquieto até que repouse em ti» (Santo Agostinho).

Para este tempo de reflexão podem usar-se outros textos (cf. Artigos relacionados).

Pausa de silêncio

Todos
Sou poço sem água quando me encontro sem vida
Sou poço sem água quando não me dou conta dos rebentos que crescem à minha volta
Sou poço sem água quando quem me está próximo passa ao largo
Sou poço sem água quando me fecho nos meus pensamentos e nos meus vícios
Sou poço sem água quando Deus parece distante
Sou poço sem água quando desespero
Sou poço sem água quando não sou capaz de pedir ajuda

 

Invocações

Guia
Irmãs e irmãos, oremos ao Pai para que sacie a sede de verdade e de amor que anima o nosso coração, dando-nos o Espírito de Cristo que sustém a nossa esperança no seu amor infinito. Oremos, dizendo: «Ouvi-nos, Senhor».

Seguem-se orações espontâneas e/ou as seguintes intenções.

Guia
Reforça a tua Igreja. R/.
Ilumina o nosso papa Francisco. R/.
Consola o nosso bispo N. R/.
Reforça a nossa nação portuguesa, que está em provação. R/.
Cura os doentes. R/.
Consola e sustenta as famílias nas quais há doentes. R/.
Sê o apoio dos idosos que estão sós. R/.
Suscita a caridade especialmente para quem não tem ninguém. R/.
Faz-te presente junto dos reclusos. R/.
Guarda todos os povos na paz. R/.
Afasta toda a doença e desgraça. R/.
Socorre os pobres. R/.
Conforta os órfãos e as viúvas. R/.
Visita os agonizantes. R/.
Concede a paz aos defuntos. R/.

A palavra de Jesus à samaritana consola-nos e educa-nos:
redescubramos que a nossa casa, como qualquer situação, é lugar sagrado para nos deixarmos tocar por Deus,
e tornarmo-nos mulheres e homens que o buscam em espírito e verdade.
Deus fala-nos como a amigos e dá-nos o Espírito, no qual dizemos:
Pai nosso…

 

Conclusão

Guia
Ó Deus, fonte de vida
Tu ofereces à humanidade ressequida pela sede
a água viva da graça que brota da rocha, Cristo salvador;
concede ao teu povo o dom do Espírito,
para que saiba professar com força a sua fé,
e anuncie com alegria as maravilhas do teu amor.
Por Cristo, Senhor nosso.

Todos
Ámen.

Guia (fazendo o sinal da cruz)
O Senhor nos bendiga e nos proteja!
O Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre nós e nos dê a sua misericórdia!
O Senhor dirija para nós o seu olhar e nos dê a sua paz!
Bendigamos o Senhor!

Todos
Graças a Deus!

 

Fontes: Diocese de AgrigentoDiocese de Pádua
Trad. / edição: Rui Jorge Martins - www.snpcultura.org
Imagem: sukra13/Bigstock.com