POLITICA DE COOKIES
Utilizamos cookies para assegurar que lhe fornecemos a melhor experiência na nossa página web. Ao continuar a navegar consideramos que aceita o seu uso.
COMPREENDO E ACEITO

Seminário do Bom Pastor acolhe doentes continuando missão de «serviço» (c/vídeo)


 

 

A diocese do Porto disponibilizou um pavilhão do Seminário do Bom Pastor, para acolher doentes com covid-19, um gesto em consonância com o trabalho de “linha da frente” que a Igreja realiza e deve continuar durante a pandemia.

“Temos de ser da linha da frente, colaborando e mostrando a nossa disponibilidade e os nossos meios, os nossos técnicos e o que é necessário e dispomos, que pode ser útil para combatermos este flagelo. Este é um caso especial, exigente e não podíamos passar ao lado, mas estar lado a lado com este caminho e as suas necessidades”, explica à Agência ECCLESIA o padre Samuel Guedes, ecónomo da diocese.

No total são 72 camas que estão agora a ser geridas pelas autoridades de saúde e Proteção Civil, estando o espaço a ser já ocupado por duas pessoas.

O pavilhão 4 foi reestruturado, “está praticamente novo, tem várias camaratas, oito camas cada uma, tem quartos duplos e individuais”, apresenta o ecónomo da diocese, contando ainda com “um espaço exterior de mata”, local que se ajusta agora a esta necessidade.

Em março, quando a pandemia da Covid-19 se começou a sentir em Portugal, a diocese do Porto foi auscultada para perceber se havia casas disponíveis com vista a acolher doentes, e na altura foram disponibilizamos duas casas, o seminário de Vilar e um dos pavilhões do Seminário do Bom Pastor, o maior do espaço.

“Felizmente na 1ª vaga nenhuma casa foi necessária. Perante um segundo pedido, o bispo do Porto, D. Manuel Linda, mostrou logo toda a disponibilidade para ajudarmos neste momento que é tão difícil para todos nós. Disponibilizamos a casa à Delegação de Saúde, à autoridade de Proteção Civil. As entidades estão a gerir este momento de pandemia e têm agora a responsabilidade da casa”, indica.

O padre Samuel Guedes lê nesta disponibilidade uma forma de continuação do serviço que a instituição prestava aos seminaristas, enquanto casa de formação, e que agora prossegue o trabalho sócio-caritativo próprio da Igreja.

“Não podia ser de outra forma. O seminário vive unido às comunidades. Sendo, como se costuma dizer, o coração da diocese, todas as comunidades paroquiais têm um carinho e gosto grande pelos Seminários diocesanos. Esta disponibilidade da diocese é um sinal grande de gratidão a todas as comunidades, civis, mas todas em geral, pelo bem que sempre fazem ao Seminário em tantas outras ocasiões”, sublinha.

O padre Samuel Guedes dá conta do reconhecimento vindo de diferentes setores valorizando a disponibilidade dos espaços.

“Toda a diocese manifesta alegria e gosto por este gesto, felicitando, o que mostra que a própria diocese, nos vários setores, pessoas, padres e seminaristas estão satisfeitas e veem com muito gosto esta disponibilidade do espaço para ajudar no combate à Covid-19”, valoriza.

A ajuda solicitada à diocese, indica o ecónomo, não se restringe à disponibilidade de espaços para acolher doentes mas estende-se à aquisição de material de proteção e ajuda social.

“Na minha função de ecónomo, recebo solicitações e a diocese enviou a várias instituições material diverso para ajudar a superar as dificuldades. E também monetariamente. O Sr D. Manuel Linda tem sido incansável a dizer sim a todas as solicitações de instituições e pessoas para ajudar no combate à Covid-19”, afirma.

O padre Samuel Guedes explica que a disponibilização do pavilhão do Seminário será realizada “enquanto for necessário e por tempo indeterminado”.

LS - Agência Ecclesia