POLITICA DE COOKIES
Utilizamos cookies para assegurar que lhe fornecemos a melhor experiência na nossa página web. Ao continuar a navegar consideramos que aceita o seu uso.
COMPREENDO E ACEITO

Igreja assume desafios da pandemia na celebração do outubro missionário


A Igreja Católica em Portugal vai colocar os desafios gerados na pandemia no centro da celebração do outubro missionário, que se inicia hoje, seguindo as orientações do Papa Francisco para esta iniciativa anual.

“Olhando o mundo, os países e povos aflitos, pode-se sonhar com um terreno mais apto à fraternidade universal: todos irmanados nos mesmos limites e fragilidades, esperamos que sejam também importantes e indispensáveis”, escreve D. Armando Esteves Domingues, presidente da Comissão Episcopal da Missão e Nova Evangelização, na introdução ao guião que orienta esta iniciativa, nas comunidades católicas.

“Onde o Evangelho já se faz cultura, sonha-se com respostas globais: na educação – o Papa fala de um pacto educativo global -, na saúde – em que uma vacina e a sua distribuição dê prioridade aos mais frágeis -, na “casa comum”, na globalização da fraternidade”, acrescenta.

O bispo auxiliar do Porto recorda o “silêncio incómodo e doloroso” do confinamento, por causa da pandemia, e fala na necessidade de uma Igreja capaz de “sair até às periferias” e de abandonar o cómodo critério do “sempre se fez assim”, que deixe de lado a “ilusão das facilidades e das fantasias enganosas de sucesso”.

Guião Missionário 2020/2021 apresenta, nas suas sugestões, uma reflexão sobre economia e ecologia, a partir do pensamento do Papa.

“Pensar na origem do que consumimos diariamente, na relação com os companheiros de missão e comunidade que integramos, como integramos todo este estilo de vida nas atividades pastorais são algumas das dimensões a ter em conta, quando se quer experimentar vida e missão integradas”, pode ler-se.

O presidente dos Institutos Missionários Ad Gentes (IMAG), padre Adelino Ascenso, assina uma mensagem neste documento em que apela ao diálogo “existencial” e “experiencial”, nos contactos com pessoas de diferentes religiões, promovendo “uma práxis comum em vista à construção de um mundo mais justo, mais pacífico e mais humano”.

A celebração do Dia Mundial das Missões acontece anualmente no terceiro domingo de outubro (18 de outubro, em 2020); os donativos recolhidos nas Missas destinam-se a apoiar o trabalho das Obras Missionárias Pontifícias.

Na sua mensagem para o 94.º Dia Mundial das Missões, o Papa assume que a pandemia de Covid-19 deve ser um “desafio também para a missão da Igreja”.

“Desafia-nos a doença, a tribulação, o medo, o isolamento. Interpela-nos a pobreza de quem morre sozinho, de quem está abandonado a si mesmo, de quem perde o emprego e o salário, de quem não tem abrigo e comida”, escreve Francisco, num texto com o título ‘Eis-me aqui, envia-me’.

OC