POLITICA DE COOKIES
Utilizamos cookies para assegurar que lhe fornecemos a melhor experiência na nossa página web. Ao continuar a navegar consideramos que aceita o seu uso.
COMPREENDO E ACEITO

‘Say Yes – aprender a dizer sim’


‘Say Yes – aprender a dizer sim’, é o tema da proposta apresentada aos Secretariados diocesanos de Catequese. A proposta surge “da reflexão que temos vindo a realizar na catequese dos adolescentes” e da certeza “de que o acontecimento JMJ Lisboa 2022 não pode passar ao lado dos adolescentes que frequentam a catequese”, afirmou aos responsáveis nacionais D. António Moiteiro, presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF).

“Esta proposta nasce em Lisboa e é assumida pela CEECDF na convicção de que daqui por três anos os nossos adolescentes são potenciais peregrinos da JMJ Lisboa 2022”.

Para o prelado a proposta ‘Say Yes’ “complementa os materiais que hão-de ser lançados a partir dos temas apresentados pelo Papa Francisco para cada ano pastoral.

“Os materiais dos temas já lançados pelo Papa Francisco são dirigidos para jovens. A CEECDF, nas suas funções na educação cristã, congregou vontades e associou-se a este projeto que quer ser caminho para os adolescentes de todo o país pois a JMJ não pode passar ao lado dos adolescentes”, sustenta.

Na apresentação do novo projeto de adolescentes o padre Tiago Neto, diretor do setor da Catequese de Lisboa, afirmou que “este projeto propõe um itinerário que percorre a história das JMJ” de modo a que os adolescentes se “apropriem do grande dom que são as JMJ para a Igreja nos últimos trinta anos”.

“É um itinerário de preparação e não um itinerário de JMJ. Tem uma clara nota vocacional para ajudar os adolescentes a dizerem sim ao projeto de Deus e desenvolve-se em três anos pastorais com clara inspiração no caminho sinodal sobre os jovens valorizando os conteúdos da exortação apostólica Cristo Vive”.

Aos responsáveis de catequese de todo o país o responsável lembrou a importância de projetos onde seja possível “desenvolver uma pedagogia projetual de evangelização e serviço na qual os adolescentes são coprotagonistas, juntamente com os catequistas e outros intervenientes, nomeadamente o Espírito Santo como grande guia da Igreja”.

“Este ‘Say yes – aprender a dizer sim’, quer ser contributo para a renovação da catequese com adolescentes e, por isso, usaremos o método constante na Evangelium Gaudium, do Papa Francisco, com três momentos: Reconhecer, interpretar e escolher, de modo a poder fazer dele um laboratório de inovação catequética”.

Imaginário com santos de Lisboa e diário de bordo

No percurso do projeto os adolescentes vão ficar a conhecer “Veríssimo, Máxima e Júlia”, três mártires de Lisboa do tempo romano que acompanharão, “em vídeo e numa linguagem atual” o percurso rumo à JMJ Lisboa 2022.

“Nesta caminhada os adolescentes vão estar acompanhados por um «diário de bordo» pessoal com vários materiais que ajudarão os mais novos a fazerem uma caminhada pessoal e em grupo”.

Formação pedagógica para catequistas e projeto de Catequese com adolescentes

Ao longo dos três anos de ‘Say Yes’ a proposta prevê quatro encontros anuais de formação de modo a que “possam trazer-nos contributos das suas experiências” e devolver à prática catequética os resultados da pedagogia assimilada”, prevê o documento apresentado.

Para Cristina Sá carvalho, coordenadora da Catequese no Secretariado Nacional da Educação Cristã este projeto vem “no seguimento da reflexão que temos vindo a fazer acerca da catequese com adolescentes” e permite “testar modelos e modos de estar e fazer catequese nesta faixa etária” funcionando como “laboratório daquilo que virá a ser, logo após a JMJ Lisboa 2022, a catequese da adolescência”.

“Estamos a desenvolver um projeto e a programar uma nova forma de trabalhar a catequese com os adolescentes. Queremos uma pedagogia mais inovadora, mais próxima deles mais educativa. Associado a isso estamos a trabalhar num novo modelo de formação de catequistas, que é fundamental no nosso trabalho. O ‘Say Yes – aprender a dizer sim’ resulta desta reflexão e trabalho e é oportunidade para testarmos modelos e serem verdadeiros laboratórios ao longo destes próximos três anos. É um caminho comum”.

A proposta apresentada congrega já a chamada “pedagogia do serviço” com que se pretende “implicar os adolescentes a serem e a fazerem num grupo e numa comunidade”.

A organização disponibiliza um link para que cada paróquia se possa inscrever no projeto e aceder aos materiais que vão ser disponibilizados no início do próximo ano catequético.

(inf: SNEC-Secretariado Nacional da Educação Cristã)