POLITICA DE COOKIES
Utilizamos cookies para assegurar que lhe fornecemos a melhor experiência na nossa página web. Ao continuar a navegar consideramos que aceita o seu uso.
COMPREENDO E ACEITO

Covid-19: paróquias retomam celebrações. Imagens de um novo tempo


Regiões pastorais da diocese do Porto voltaram a viver o encontro comunitário.

Os cristãos retomaram as celebrações comunitárias na Solenidade de Pentecostes, nos dias 30 e 31 de maio.  Após o confinamento, devido ao contágio do novo coronavírus, foi com alegria e segurança sanitária que os fiéis acorreram às suas igrejas paroquiais. Um momento do qual ficam para já as imagens da retoma.

Da diocese do Porto publicamos aqui fotos de exemplos nas 4 regiões pastorais: Região Pastoral Nascente, Paróquia de S. Martinho de Sardoura; Região Pastoral Sul, Paróquia de S. Miguel do Souto; Região Pastoral Norte, Paróquia de Santiago de Bougado; Região Pastoral do Grande Porto, Paróquia do Santíssimo Sacramento.

Recordamos que segundo as Orientações da Conferência Episcopal Portuguesa publicadas a 8 de maio último é fundamental respeitar a recomendação da não participação presencial nas celebrações dominicais das pessoas que pertencem a grupos de risco.

A higienização das mãos e o uso de máscara é absolutamente obrigatório nas celebrações. A máscara deve estar corretamente colocada cobrindo nariz e boca.

Durante a celebração é obrigatório manter a distância de segurança recomendada de 2 metros entre cada pessoa, a não ser que coabitem.

O gesto da paz continua suspenso e o ofertório deve ser feito à saída.

Para comungar os fiéis devem respeitar na fila 2 metros de distância de segurança para com os demais, devendo baixar a máscara 2 pessoas antes de comungar.

Ao receber a hóstia consagrada na mão deverá imediatamente levá-la à boca e voltar a colocar a máscara. A comunhão deve ser feita em silêncio.

Nas celebrações não devem ser distribuídas folhas ou desdobráveis e devem ser seguidas todas as indicações das equipas de acolhimento.

Neste tempo de pandemia, que ainda estamos a viver, algumas comunidades têm aproveitado para refletir sobre o trabalho que têm desenvolvido, o tipo de comunicação e canais utilizados, as mensagens e conteúdos produzidos, as pessoas a quem se dirigem e os formatos de relação.

RS